Serra do Cipó

A Serra do Cipó está localizada a 90 quilômetros a de Belo Horizonte, logo depois da cidade de Lagoa Santa, na região sul da  Serra do Espinhaço, no divisor de águas das bacias hidrográficas dos rios São Francisco e Doce estado de Minas Gerais Brasil

É um dos conjuntos naturais mais exuberantes do mundo. Sua história geológica é complexa e data do período pré-cambriano, com suas rochas arenosas que foram formadas por depósitos marinhos há mais de 1,7 bilhão de anos.

A diversidade da sua vegetação é altíssima, e muitas espécies são encontradas somente ali. A fauna é representativa e abriga várias espécies ameaçadas de extinção. Para preservar este patrimônio natural, foi criado o Parque Nacional Serra do Cipó. São ao todo cem mil  hectares de cerrados, campos rupestres e matas, além de rios, cachoeiras, cânions, cavernas e sítios arqueológicos preservados.

Localizado na região, o distrito de Serra do Cipó (antigo Cardeal Mota) se situa na bacia do Ribeirão Soberbo, tributário da bacia de drenagem do Rio Cipó, que dá nome à região. Pertence ao município de Santana do Riacho, cujo acesso se dá por estradas asfaltadas em um trajeto de aproximadamente 30 quilômetros. Pela proximidade com o Parque Nacional, faz parte da região circunscrita à Área de Proteção Ambiental (APA) Morro da Pedreira.

O distrito de Serra do Cipó é cortado pela rodovia estadual MG-010, asfaltada em 1985, que o liga a Belo Horizonte e o articula com outras cidades do norte de Minas.

A transformação da Serra do Cipó vem se processando rapidamente, principalmente após a criação do Parque Nacional. A infra-estrutura para o turista conta hoje com estabelecimentos comerciais, inúmeros hotéis e pousadas, áreas de camping estruturadas.

Em geral é a beleza e pureza das águas que atraem o maior número de visitantes. Em decorrência do relevo acidentado observa-se a freqüente formação de cachoeiras, corredeiras e piscinas naturais, que mantêm o seu volume de água constante durante quase todo o ano devido ao aspecto areno-rochoso do solo. Típicos também da região são os cânions, gargantas sinuosas e profundas que abrigam cachoeiras e poções em seu interior.

Paulo Roberto Fonseca/divulgação